Facebook Twitter CRECI 3297-J
(48) 3263-0505(48) 3263-0555

Conheça Tijucas

Conheça Tijucas, seu histórico e características.

Localizada na Grande Florianópolis, Tijucas é rica em História, diversidade cultural e belezas naturais. A rica e bela história de Tijucas começa em 1530, com a chegada do navegador veneziano, Sebastião Caboto a serviço da Espanha, aportando na foz do rio Tijucas.

 

 

Historico
A rica e bela história de Tijucas começa em 1530, com a chegada do navegador veneziano, Sebastião Caboto a serviço da Espanha, aportando na foz do rio Tijucas. Os primeiros colonizadores foram os índios carijós (índios mansos e industriosos) e que deram o nome de Ty Yuca para designar o Vale do rio Tijucas na língua guarani.

As primeiras habitações que os carijós construíram foram as ocas, choupanas de ripas com estuque, coberta de folhas de coqueiros. Naquela época, era bastante expressivo o número de indígenas que habitavam Santa catarina, especialmente o litoral, e tal é demonstrado pelos relatos dos viajantes que aqui estiveram e, posteriormente, pelo testemunho dos missionários entre eles, o jesuíta Francisco Garcia que catequizou os carijós durante vários anos.

A urbanização começa a mudar o perfil da cidade no governo de João Bayer Filho em 1.922, delineando todas as ruas, logradouros e bairros da cidade. Atualmente o perímetro urbano de Tijucas é formado pelo Bairro de Santa Luzia, Praça, Sul do Rio, Centro, Joáia, Universitário e XV de Novembro. A cidade de Tijucas nasceu onde é hoje o Bairro da praça. A cidade está dividida em duas áreas distintas: o lado leste e o oeste da BR 101. O perímetro urbano de Tijucas é determinado pela Lei 237 de 11/11/69, que descreve a área total do município.

Através da lei 271, de 4 de maio de 1848, foi criada a freguesia de São sebastião da Foz do Tijucas grande, na qual o engenheiro militar João de Souza Melo e Alvim fez a planta para a sua povoação. Tal plano não foi seguido, pois alguns anos depois, o próprio Alvim relata ao presidente da província que a população de Tijucas constrói as casas em completa desordem, não havendo alinhamento algum, e que as condições da barra do rio estavam precárias. Apesar disto, o comércio na freguesia cresce e é grande o movimento de exportação dos diversos tipos de madeira de lei, além da produção de farinha, arroz, feijão e açúcar grosso.

Nesta mesma data, criou-se a paróquia com a denominação de São sebastião da Foz do Tijucas Grande. Foi nomeado o primeiro pároco na pessoa de Pe. João Antônio de carvalho que assumiu somente em 1852. Em meados do século XIX, através da lei 404 de 4 de abril de 1859, constituiu-se o município de São Sebastião de Tijucas, elevada de freguesia a categoria de Vila (Município), passa-se para sede a que assentamos até então em Porto belo, logo que prontificada a casa para as sessões da câmara de vereadores. Com a vinda dos imigrantes italianos, o primeiro descendente italiano a pisar em Tijucas no ano de 1870 foi o padre Nicolau Barone Gallotti e Benjamim Gallotti em 1875. O comércio do vale expande-se e são construídas estradas entre os povoados embora persistisse o problema do assoreamento da barra do rio impedindo a entrada de pequenos navios.

Turismo
O maior atrativo turístico de Tijucas é o passado histórico do município. A cidade apresenta grande diversidade cultural e geográfica, com bairros de açorianos, negros, italianos... São muitos as atrações naturais, como cachoeiras, grutas, rio e mar.

Rio Tijucas

 


Tanto a placidez das águas quanto a própria formação do rio pela visibilidade que dispõe pela localização numa planície, transformam-no em um grade potencial para exploração turística, seja para pesca (campeonatos ou pesca amadora), seja Turismo Náutico e de Lazer com pedalinhos, jet skis ou pequenos veleiros e outras embarcações, ou simplesmente o valor contemplativo.

A foz do rio no seu encontro com a baía, apesar de degradada hoje em dia já foi o portão de entrada para o vale, e pode muito bem ser vista como um portal turístico em potencial.A área que fica na margem sul oposta ao centro da cidade já foi alvo de projeto de urbanização e área de lazer para a população com a construção de decks e pequenos piers.

As casas que margeiam o Rio Tijucas são em grande parte as de maior expressão arquitetônica no centro da cidade. A visão que se tem do centro a partir da BR101 valorizaria sobremaneira caso estas casas tivessem os fundos reurbanizados, com a criação de pequenos atracadouros, voltando assim novamente a cidade ao rio.

PRAÇA HENRIQUE JOSÉ TERNES

Às margens do Rio Tijucas, na desembocadura da Avenida Hercílio Luz, que dá acesso à Universidade, onde esta encontra a Av. Coronel Buchelle. O local oferece várias atrações como o próprio Dino, uma estátua de um dinossauro de 5 metros feita de concreto que fica às margens do rio, chamando invariavelmente a atenção de quem transita. Pode-se apreciar o movimento seja do tráfego ou das águas sentado nos bancos da praça, ou no Quiosque existente no lado oposto da rua. Próximo dali esta o Tijucas Clube que também é um atrativo a mais da região além de várias construções coloniais que dão um charme único a Tijucas.

IMAGEM DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

 

Proveniente da cidade de Fátima em Portugal, tendo chegado a Tijucas no dia 21 de junho de 1998. Existem vários exemplares desta imagem espalhados pelo mundo, todos eles com características idênticas

PONTE BULCÃO VIANNA

 


Inaugurada em 30 de abril de 1930, a Ponte Metálica, ou Ponte da Passagem representa um marco no transporte não só de Tijucas, mas de todo o estado e até do sul do país, já que era por essa estrada que passava todo o tráfego que seguia para o sul. Construída em ferro com pavimentação de madeira, foram impostos ao uso da ponte algumas restrições, mas ainda é utilizada até hoje.

PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO

Por ser uma das cidade mais antigas do estado e promissora desde sua origem, Tijucas ostenta um patrimônio arquitetônico singular, especialmente ao longo do rio, onde inciou-se a ocupação do atual centro da cidade. Dentre as inúmeras construções antigas existentes na cidade, podem ser destacadas :

Mansão da Família Galotti : cuja construção envolveu muito material trazido da Europa perpetuando a imponência desta edificação que se encontra atualmente próximo da restauração coordenada pelo Rotary Clube de Tijucas.


Mansão da Família Gallotti

Casa da Amizade : Edifício originalmente construído para fins comerciais que teve sua restauração coordenada também pelo Rotary Clube de Tijucas e que hoje abriga sua sede e oferece cursos à comunidade, alem de ser um dos locais mais utilizados para realização de eventos.

Casarão da Família Bayer : também com finalidade comercial originalmente no térreo, além de ser a moradia da família.

Igreja Nossa Senhora dos Navegantes : situada na Praça que deu origem ao nome do bairro, construída em 1949.

Centro Assistencial Espirito Santo : situado ao lado da igreja matriz no centro da cidade, é administrado por religiosas sendo restrito o acesso ao seu interior. Entretanto a Capela é um dos belos exemplos de construção religiosa em Tijucas.

 


Centro Assistencial Espirito Santo

Cine Theatro: Inaugurado em 24 de janeiro de 1926, Tombado pela Fundação Catarinense de Cultura e situado ao lado do viaduto da Ponte da BR101, no centro.

PATRIMÔNIO NATURAL

A começar pela mata nativa, em especial a área afastada do litoral onde predomina a Floresta Atlântica mesclada com a paisagem bucólica gerada pelo contraste da área natural com a cultivada pelo homem. A paisagem rural tijuquense é de uma riqueza singular pela formação montanhosa periférica que circunda a planície central onde se encontra o centro da cidade. Existe na região uma grande quantidade de grutas, várias ainda desconhecidas como a Gruta dos Morcegos no Timbé, e nenhuma delas explorada turisticamente.

O relevo acidentado e a abundância de água criam uma grande quantidade de saltos, corredeiras e cachoeiras muitos ainda inexplorados. Dentre esses podemos citar com especial atenção pelo menos dois, que já se encontram em estágio propício para a exploração turística:

Cachoeira da Itinga, cujo volume de água é tamanho, que nela é feita a captação de água do município. Novamente este contraste do natural com o civilizado torna a localidade ainda mais interessante, já que para que a água mantenha-se potável, a mata existente no entorno foi transformada em reserva. O proprietário do terreno onde é feita a captação, tenciona desenvolver um espaço destinado à visitação e à preservação tanto do meio ambiente local quanto da cultura que o circunda, já que na propriedade ainda existem uma casa que foi restaurada e um Engenho de corte movido a água, por ser restaurado, e na vizinhança do terreno existem plantações de mandioca (além de outros gêneros) e até produção artesanal de farinha.

Do alto do terreno avista-se toda a baía de Tijucas, parte do centro da cidade e da Península de Porto Belo, apesar de estar a 19 km da BR101. (foto 6)

Cachoeira do Campo Novo, cuja extensão percorre pelo menos duas propriedades na sua parte de maior intensidade, numa das quais já existe uma infra-estrutura para exploração inclusive com trilhas para caminhadas no morro e área calçada em concreto para passeios ao redor do rio. A estrutura apresenta-se ociosa no momento. A beleza natural da mata e a potência das águas no entanto, são os principais atrativos do local.

Informações
Data de fundação: 13 de junho de 1860
Data festiva Maio/junho: (Festa do Divino Espírito Santo).
Atividades econômicas: Pesca, agricultura, Cerâmica Vermelha, Mineração, Cerâmica de Pisos.
População Aproximada: 32.000 habitantes
Colonização: Açoriana
Localização: Grande Florianópolis, a 45km da capital.
Área: 278,4Km2
Clima: Temperado quente, com temperatura média entre 18ºC e 29ºC

Tyuco Imóveis

CRECI 3297-J

Rua Alexandre Ternes Neto, n.70
Centro - Tijucas - SC
Fones:
(48) 3263-0505
(48) 3263-0555

Horário de atendimento:
de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h.
sábado das 9h às 12h.

Área do cliente